Babaçu Oil

Ark of taste
Back to the archive >

Óleo de Babaçu

Babaçu is a palm tree from the Arecaceae-Palmaceae family; it is native to the Amazonian forest, but also grows widely in the regions of Maranhão, Piauí and Tocantins. The fruit is oval, slightly elongated and with a brown color; it grows in bunches, between August and January. Babaçu pulp is floury and highly sought after due to its oil content; it contains 3 or 4 oleaginous seeds, which have a short shelf-life, and thus need to be processed fast and efficiently in order to avoid losses. After collecting the nuts, they are cracked with the help of an axe and a piece of wood, used like a hammer to create the force needed for the axe to break the shell and extract the nuts. This process is usually carried out within the cultivation area, where the “breakers” gather close to a palm tree and crack the shells on the ground. During this step of the process, a lot of attention and care is needed, as the nut has to be extracted whole. If fragmented, they turn rancid within 24 to 48 hours and lose their commercial value completely. The nuts can also be cracked using a stone on a hard surface. In Goias and northern Minas Gerais, the oil is usually extracted with artisanal methods, but due to the difficult handling of the fruit between harvest and pressing, it is increasingly substituted with soya oil, among others. The oil comes from the nut extracted from the babaçu and can be used for various culinary, medicinal and esthetical purposes, as aforementioned. To produce the oil, the nut has to be extracted in a perfect state, thus ensuring the nutritional properties of the product and guaranteeing that the enzymes acidify the oil. After harvest, cracking and nut extraction in the “babaçual“ (an extensive conglomerate of babaçu trees within a determined area), there is a first selection to ensure that only healthy nuts without any defects pass on to the next phase. The oil can be packaged in steel barrels or plastic bottles; ideally the containers with the oil are stored separately in a cool, covered and aerated area, in order to ensure the quality of the product. Babaçu oil can be used to create different dishes, or replace other oils in already existing recipes, to cook food or to season salads as well as to prepare breads.

Image: Marco del Comune & Oliver Migliore

Back to the archive >
Babaçu é uma palmeira da família das palmáceas Arecaceae e nativa da floresta amazônica, porém possui grande predominância nas regiões do Maranhão, Piauí e Tocantins.
O fruto possui formato oval, levemente alongado, com coloração castanha que se desenvolve de agosto a janeiro em cachos pendulares. A polpa do babaçu é muito apreciada por sua característica farinácea e oleosas que são compostas por 3 ou 4 sementes oleaginosas, porém não possui grande durabilidade, deste modo o beneficiamento do mesmo deve ocorrer de forma rápida e eficiente, para que não haja prejuízo.
Após a coleta dos cocos, as quebradeiras promovem a “quebra” com o auxílio de um machado e um pedaço de madeira que serve como martelo para gerar a força que faz com que o machado quebre o coco facilitando a extração das amêndoas. Esse procedimento ocorre, na maioria das vezes, ainda na área de cultivo, onde as quebradeiras se agrupam próximo a alguma palmeira e realizam a quebra no chão. Nesta etapa é necessário que haja muita cautela pois a amêndoa do babaçu deve ser retirada inteira. A fragmentação da mesma as tornam rançosas em período de 24 a 48 horas perdendo complemente o seu valor comercial. A quebra também pode ser realizada, de maneira rudimentar, a golpes de pedra sobre uma superfície dura.
Em Goiás, Norte de Minas a obtenção do óleo de babaçu é por método artesanal, mas devido ao difícil manejo desde a coleta do fruto até o beneficiamento do mesmo com o óleo de babaçu, o produto vem sendo cada vez mais substituído por óleo de soja dentre outros óleos integrais.
O óleo advém da amêndoa que é retirada do coco de babaçu e pode ser utilizado em diversas receitas culinárias, medicinais e estéticas, como dito anteriormente. Para a confecção do óleo, a amêndoa deve ser retirada em perfeito estado, para assegurar as propriedades nutricionais do produto e garantir que as enzimas acidificam o óleo.
Após a coleta, quebra e extração das amêndoas no babaçual (extenso aglomerado de babaçus em determinada área), é realizada a primeira seleção para que apenas passem para a outra fase as amêndoas sadias, sem defeitos na sua estrutura física.
O óleo pode ser envasado em tambores de aço ou em bombonas plásticas, o ideal é manter os recipientes onde o óleo está armazenado separados, bem como manter o produto em local fresco, coberto e arejado, garantindo assim a qualidade do produto final.
O óleo de babaçu pode ser utilizado no preparo de diversas receitas, ou pode substituir algum outro óleo de alguma receita já existente, podendo também auxiliar no cozimento de alimentos, para temperos de saladas e para a confecção de pães.

Foto: Marco del Comune & Oliver Migliore

Territory

StateBrazil
Region

Goiás

Production area:Terra Ronca

Other info

Categories

Oil

Nominated by:Thiago Lopes de Melo