Abacaxi pequeno

Ark of taste
Back to the archive >

Abacaxi pequeno

Native to Brazil, the abacaxi pequeno (Ananas comosus) is a variety of pineapple, a member of the Bromeliaceae family. Smaller than the common pineapple and with a slightly tarter flavor, it measures up to 20 centimeters in length and is bright yellow when ripe. A tuft of spiny leaves extends from the top. The sweet, juicy flesh can be eaten raw or dried in the sun, and keeps for a long time both fresh and dried.

Cultivated and gathered by the Xakriabá community in the regions of Minas Gerais, Goiás and Mato Grosso, the fruit is also used in medicine. The active ingredient bromelian, an important proteolytic anti-inflammatory, is extracted from the plant. The juice is also useful for fighting cholesterol, the accumulation of fat in the body, influenza and colds and for preventing diseases of the bladder and the kidneys. It also aids digestion.

Deforestation to make charcoal and clear space for grazing has meant that many of the pineapple plants have disappeared. This variety must be protected: It belongs to the gastronomic and medical tradition not just of the Xakriabá community, but of the whole Cerrado region, where it has adapted well and is used to make fruit juices and jams, in typical local recipes and as animal feed.

Back to the archive >
O Brasil destaca-se como centro de origem e de diversidade do abacaxizeiro. Com a chegada dos europeus na América, o abacaxi foi levado para outras regiões do mundo por viajantes e mercantes. O fruto, desta forma, chegou às Filipinas, ao Hawai, à India, Africa e até China.
O abacaxi pequeno (Ananas comosus), chamado também abacaxi-do-mato ou abacaxi do tupi (quer dizer “fruta cheirosa”), é uma bromélia com folhas radiais, em feixes, com espinhos nas bordas. Gosta de solos ácidos, bem drenados e com muita luminosidade. Produz um fruto semelhante ao abacaxi comum, porém de tamanho menor, medindo até 20 cm de comprimento. Possui coloração amarelada quando maduro e sabor um pouco mais ácido. A planta forma uma touceira de até 70 cm de altura.
É consumido in natura, para aproveitar a polpa doce e suculenta. São frutos rústicos e resistentes que, inteiros e maduros, se conservam por uma semana ou mais sem sofrer danos e, semi-maduros, prolongam-se por mais tempo. O miolo central, mais duro, pode ser triturado e aproveitado em sucos e geleias. A fruta pode ser desidratada, em fatias finas secas ao sol. O ananás é usado na medicina tradicional para combate o mau colesterol, evita o acúmulo de gordura pelo organismo, combate gripes e resfriados, ajuda a prevenir e a expulsar cálculos renais e vesicais, combate as enfermidades da bexiga e da próstata, além de possuir enzimas digestivas que auxiliam na digestão.
O Abacaxi é importante para a cultura dos povos Xakriabá, da região de São João das Missões, Norte de Minas Gerais, reforçado no relato de Joel Xakriabá:
“Durante a caça, que pode demorar dias no Cerrado, os índios Xakriabá se alimentam de ananás. Com o desmatamento (carvoarias, pastos, etc.) ao redor do território Xakriabá, as áreas da planta de ananás foram se acabando, restando poucas. Muitos animais também se alimentam deste fruto. Há uma grande preocupação pela preservação não só dá planta do ananás, que faz parte da culinária e medicina Xakriabá, mas também do Cerrado, que apresenta grande variedade de espécies em todos os ambientes; que dispõe de muitos recursos ecológicos, abrigando comunidades de animais com abundância de indivíduos, alguns com adaptações especializadas para explorar o que fornece seu habitat”.

Other info

Categories

Fruit, nuts and fruit preserves

Indigenous community:Xakriabá
Nominated by:Joel Gonçalves de Oliveira